23.7.09

férias (?)

e os dias têm passado de alguma forma que eu não consegui identificar ainda. passo o dia inteiro ou trabalhando ou fazendo exatamente nada. os noticiários, cheguei à conclusão, são sempre iguais: as mesmas notícias, os mesmos comentários inúteis... só há uma animadinha na situação quando acontece mais uma tragédia.
a gripe suína também domina todo e qualquer tipo de ambiente. calma, não no sentido literal, porém todo mundo só fala nisso. e vem a pergunta: e cadê a prevenção dessa gente? não vejo! o ônibus tá sempre com as janelas fechadas porque o frio lá fora tá de renguear cusco, as criancinhas todas colocam as mãos em todo e qualquer lugar e levam à boca, sem contar quando elas ficam desenhando, passando a língua ou qualquer outra nojeira que se possa ser feita com o "bafo" da janela.
tenho também presenciado a regressão mental de muita gente. a vida de professor me leva a acreditar que eu serei extremamente frustrado. não, amigo, não pela profissão. mas, e infelizmente, sim por chegar a conclusão de que ensinar além de ser uma arte, é algo que está se tornando realmente arte. arte hoje em dia é entendida por poucos e apreciada por uma minoria ainda. educação tá chegando lá. as pessoas mal sabem escrever, quanto menos interpretar qualquer que seja outra língua. e a infeliz pergunta: mas e por quê tem que ser assim e não é assado? e o teacher responde o que?! volto pra casa e só rezo pras pessoas ao menos terem consciência que educação é tão bom e dá uma base tão boa pra tantas outras coisas na vida. enfim, fica aqui meu apelo sentimental à educação básica, pública ou privada, brasileira.
depois percebi, nas minhas humildes férias da faculdade, que as relações humanas estão chegando a certos estágios que realmente, se torna muito complexo se ter um relacionamento hoje em dia. e conversando com uma amiga, chegamos à conclusão de que as relações interpessoais ou não nos querem, ou a gente não sabe lidar com elas. eu penso que tudo tem tempo, horário e época. porém também vejo que hoje em dia é muito difícil nos apaixonarmos ou mantermos um amor secreto. as relações entre as pessoas estão menos profundas e sim cada vez mais superficiais e simples. sem passar pelo âmbito das relações intercomputadorpessoais, que facilitam ainda mais o serviço de conhecer alguém. me peguei pensando que acho que nunca mais vou conseguir me apaixonar, ou ao menos, amar alguém. todas as pessoas interessantes que eu conheço se tornam minhas amigas, ou então elas não são tão interessantes assim. e o fluxo segue.
e pelas visões gerais do dia a dia, penso que tudo está sublimado ao ponto de não ser mais sublimado. tudo é fácil e complexo ao mesmo tempo, depende do nosso ponto de vista, ou mesmo das nossas reais vontades. e por favor, compliquemos menos, diriar eu bem menos, as nossas vidas. comece com um bom dia e ao menos espere algo bom. e se não vier, já dizia o músico 'tente outra vez'...

5 comentários:

Alice disse...

ministério da saúde adverte: esse post todo tem grande capacidade de gerar crise existencial

Rafael disse...

aah! nem tanto assim!

Di disse...

sobre a educação: CONCORDO!

sobre o coração: NÃO CONCORDO!

Sempre é tempo de se apaixonar, mas primeiro, precisamos apaixonar por nós mesmos e depois disso, sim, tentar encontrar o principe de cavalo branco, porque com certeza, ele não vai bater na porta de ninguém!

;)

Rafael disse...

se desse pra acreditar que os outros têm coração, até concordaria contigo.

Larissa disse...

novo endereço, agora só de poesia :)