22.10.09

gramática da vida

pela preguiça de escrever
pelo medo de dizer.
pela boca atrolhada de sons que combinados,
não fazem sentido algum.
pelas vozes na minha cabeça que gritam em tons diferentes
pelos rabiscos nos meus olhos que o mundo proporciona
pela zombaria de tantos sons, espalhados em cacofonias sem fim.
pela fonte da imaginação: as letras.
pela atividade da fala que tenta pronunciar sentidos inexistentes em fonemas perdidos.
pela velocidade do som, que tenta exprimir todas as palavras ao mesmo tempo, apenas pra dizer: eu te amo.
pela coincidência das línguas como termo nato à natureza do homem.
pela magnitude por excelência da capacidade da decodificação.

pelo bom entendimento das letras por elas mesmas,
demos as mãos como elas e tentemos fazer algum sentido, nessa semântica inútil que é o mundo.

[rafa tem ares de poeta quando procrastina sem parar. pensa que isso vai aliviá-lo de tamanha culpa por deixar para amanhã o que poderia estar fazendo neste momento que vos fala.]

2 comentários:

Alice disse...

procrastinar nao é das melhores coisas a se fazer...

LíviaBorba disse...

ai, super bonito isso. procrastinação produtiva! letras, letras, pq não nos deixam em paz?!